O Dia das Bruxas é uma altura divertida do ano o qual pode ser usado nos locais de trabalho para aproximar as suas equipas e melhorar o estado de espírito do escritório. Atualmente, é uma celebração secular que pessoas de diferentes origens e culturas podem desfrutar, mas ainda há quem tenha alguma objeção a isso. Examinaremos formas de como aproveitar ao máximo o dia, mas, no entanto, estaremos atentos a alguma pessoa do escritório que, por várias razões, possa não gostar desta festividade.

 

As origens do Halloween remontam ao antigo festival celta de Samhain, que foi um dia de festa para lembrar os mortos e afastar os maus espíritos. Mais tarde, o festival ficou conhecido como Véspera de Todos os Santos, uma vez que foi comemorado no dia anterior ao Dia de Todos os Santos, a 1º de novembro.

Hoje, perdeu muito desse significado sombrio e tornou-se uma oportunidade para as pessoas se vestirem, se soltarem e se divertirem.

Por causa destas origens, o Dia das Bruxas pode não parecer o dia mais óbvio para ser celebrado no trabalho, mas hoje em dia não está ligado a nenhuma religião específica e foi amplamente adotado pela sociedade secular, pode ser uma ótima desculpa para os profissionais se soltarem e serem brincalhões no trabalho.

É também uma oportunidade de introduzir um pouco de diversão na rotina, reduzir o stress e talvez até envolver amigos e familiares. Portanto, oferecemos alguns prós e contras de comemorar o Halloween no trabalho para fazer com que todos se sintam incluídos evitando situações potencialmente embaraçosas.

 

Prós:

  1. Torne-o alegre. Concentre-se no lado divertido do Halloween e faça com que seja o mais inclusivo e acolhedor possível. Use atividades que inspiram criatividade e diversão. Considere a organização de jogos como escultura em abóbora, competições de decoração de Halloween entre departamentos ou equipas, almoço com comida temática ou organização de uma festa após o a hora de trabalho, que inclui amigos e familiares.
  2. Incentive todos a vestirem-se. Dê às pessoas a liberdade de usar tudo ou apenas usarem um chapéu de festa, mas deixe-as confortáveis ​​o suficiente para serem tão ousadas quanto acharem que podem ser.
  3. Partilhe a responsabilidade de organizar quaisquer atividades, especialmente se trabalha em numa grande empresa. A arrumação também deve ser feita em grupo e, se incorporar algum tipo de competição amistosa, pode até ser divertido.

Contras:

  1. Não tem muitas regras. Exigir que as pessoas usem certas roupas ou apareçam para a festa fora do horário de expediente não melhorará a cultura da sua empresa e poderá derrubar o estado de espírito da equipa. O Dia das Bruxas pode ser uma ocasião importante para as famílias se reunirem, para não fazer as pessoas permanecerem no escritório, se preferirem estar em outro lugar. Qualquer jogo que organize deve ser simples e direto de entender. Não é divertido quando os jogos entram em discussões sobre regras.
  2. Não use roupas ofensivas, abertamente sensuais ou extremamente assustadoras. Pode ser o Dia das Bruxas, mas ainda é um ambiente de trabalho e as roupas ainda devem ser apropriadas. Assustar os seus colegas de trabalho ou deixá-los desconfortáveis ​​não faz parte do espírito da celebração.
  3. Não force ninguém a participar nos eventos e atividades. Se as atividades planeadas parecerem estranhas, não force. Por razões culturais ou religiosas, algumas pessoas podem se opor abertamente à celebração e outras simplesmente não gostam disso. Respeite esses limites.

 

Se usar os Prós e os Contras como diretrizes, o Dia das Bruxas no trabalho deve correr sem problemas e ser o mais divertido possível para quem quiser participar. Aproveite o dia e não fique com muito medo!

25 out

Três prós e três contras sobre festejar o Halloween no trabalho

Outras Notícias

Gray Metal Cubes Decorative 1005644

O que é o Design Thinking e porque é que é tão importante?

Saiba mais
Abstract Art Blur Bright 373543 (1)

Quatro tecnologias com potencial para mudar o mundo dos negócios em 2020

Saiba mais
Preview

O LACS Anjos é a escolha da Web Summit

Saiba mais
Hacking Health 2

Entrevista a Hugo Maia, da Glintt

Saiba mais