A Moody Month tem o seu Flex Membership no LACS Anjos e fomos saber sobre o seu dia-a-dia de trabalho.

A Moody Month é uma aplicação que usa o machine learning para personalizar o bem-estar diário das mulheres. Uma aplicação para treinar os hábitos de saúde, desenhada para o funcionamento biológico do corpo feminino. A Moody usa hormonas e ciclos biológicos para prever e apoiar a saúde física e mental do dia a dia.

Conversámos com Amy Thomson.

 

Descreve o teu trabalho em três palavras. 

Otimizar a saúde das mulheres.

 

O que é melhor no teu trabalho?

Fazer parte da mudança diária do bem-estar das mulheres e ver o mundo a mudar para um futuro mais inclusivo. Todos os dias temos milhares de mulheres a usar a aplicação e a ser apoiadas numa nova era da saúde feminina. Uma era de saúde impulsionada por tecnologias e desenhada com uma experiência feminina inclusiva. Fazer parte e contribuir para esta revolução na saúde é um privilégio.

 

Descreve um dia típico teu.

O dia a dia é um pouco diferente, com desafios diferentes, mas o Moody dá-me uma rotina diária para as manhãs, o que me ajuda a preparar. Tenho stand ups diários com a equipa das 10 às 11:30, o que significa que cada dia começa com o planeamento, e à tarde é quando a ação acontece. A aplicação diz-me em que dia e fase do ciclo hormonal estou, o que me ajuda a saber como é que o meu foco, memória ou até mesmo nível de stress podem mudar ao longo do dia. Eu preciso sempre de 3 a 3 horas de mudar de cenário, ficar sentada na minha mesa em casa ou no escritório muito tempo significa perder o foco e rapidamente distraio-me, independentemente da fase do ciclo em que estou.

 

Que música ouves enquanto trabalhas? 

Obcecada pelo Idealismo ou qualquer música com uma melodia com uma batida baixa, o clássico funciona sempre também. Evito música com letras ou batidas rápidas, pois cria um clima frenético para o trabalho.

 

Como é que a Moody Month começou? Qual é a ideia principal por trás da Moody Month?

Como acontece com todas as empresas, nasceu devido a uma história pessoal que reflete um problema macro e uma falha no mercado. As hormonas são vistas pela sociedade como uma conversa sobre fertilidade, mas controlam o metabolismo, o sono, o desejo sexual, o stress e até a felicidade. As nossas hormonas são o que nos torna humanos e em 2019, quando lançámos a tecnologia beta Moody, não havia uma tecnologia que permitisse acompanhar diariamente a saúde mental e física nas quatro fases do ciclo hormonal mensal e ciclos de vida. Há cerca de dois anos, desenvolvemos ML a partir de conjuntos de dados proprietários e agora estamos prontos para subir na tecnologia. É um momento global excitante para a Moody como empresa.

 

O que mais gostas no LACS? 

É um espaço repleto de pessoas com ideias semelhantes, despretensioso e bem desenhado.

 

Quando eras criança, o que querias ser? 

Sempre quis ser artista e escritora, mas depois percebi que o mundo precisava de pessoas criativas para pensar sobre tecnologia, política e mudanças. Precisamos de mais empatia nas indústrias que foram vistas puramente com base na lógica.

 

Qual foi o teu primeiro emprego? 

Trabalhei numa mercearia. Adorei, principalmente porque conseguia tirar todos os restos de massa e bolo no final de cada dia.

 

Alguém que te inspira e porquê?

Elizabeth Gilbert, Reni Eddo Lodge, Chimamanda Adichie. Três das minhas escritoras preferidas e três mulheres que escreveram livros que mudaram irreversivelmente a forma como penso na minha vida e na vida das outras pessoas.

 

Qual é o segredo do sucesso? 

Uso eficaz de rotinas desenhadas para o teu corpo. Quando sabes como o teu corpo e mente funcionam, sabes como pô-los em sintonia e usá-los para obter foco, motivação e sucesso. As hormonas são realmente o segredo do sucesso dentro de nós.

 

Um conselho para alguém que está a começar agora um negócio?

Encontra o teu mercado, compreende o problema social e a vontade dos clientes gastarem na solução desse mesmo problema. Depois constrói o teu negócio e está pronto para lutar para provar o seu lugar, é um jogo mental, tanto como um jogo de dinheiro.

 

Quais os teus lugares preferidos em Lisboa? 

O meu lugar preferido é o miradouro da Graça. As vistas e pores do sol podem fazer qualquer problema desaparecer. É um remédio para a mente viver numa cidade com tantos miradouros lindos, onde podes ir sempre para te recompores. A luz e o pôr do sol nesta cidade são os melhores do mundo.

23 jun

À conversa com: Moody Month

Outras Notícias

Aline Pontin

À conversa com: Promobrace

Saiba mais
1B05a376 5Ab2 468F A0b4 75A08ae3b4f0

No dia internacional de coworking trabalhar no LACS é gratuito

Saiba mais
Pedro Pires

À conversa com: Tars Ventures

Saiba mais